domingo, 10 de junho de 2012

Vão indo que que eu já lá vou ter


Depois de uma semana de calor e céu azul eis que o dia nasce cinzento e chuvoso. Seria o meu último dia em Velenje, o sexto consecutivo sem calçar sapatilhas, e uma das poucas vezes em que visitaria um país sem que registasse um único treino no meu garmin.

Decidido a contrariar o destino, tomo um rápido pequeno-almoço, dou um salto à faculdade para delinear com os colegas as estratégias para a redacção final do relatório e informo-os de que terei que ir fazer as malas e responder a uns emails e que estarei de volta pelas 10:30.
Dou um salto ao hotel, calço as sapatilhas e esgueiro-me por ruas secundárias em direcção ao lago, que alcanço em pouco mais de 10 minutos. Ao contornar o estádio municipal para entrar no parque da cidade deparo-me com uma multidão de corredores, absolutamente inesperada em face do que eu tinha visto ao longo da semana: ninguém a correr.
Havia uma bifurcação e o grosso do pelotão segue por um dos caminhos, sendo que eu de imediato opto pelo outro, para poder correr de forma mais desafogada. Apercebo-me, entretanto, que se trata essencialmente de atletas do sexo feminino e que correm a um ritmo lento.
Calmamente lá as vou ultrapassando uma a uma até que finalmente me encontro a correr completamente sozinho, com o caminho sobranceiro ao lago todo por minha conta.
Inesperadamente, ao desfazer uma curva, deparo-me com 3 fotógrafos que disparam desesperadamente na minha direcção, vejo o estádio a aparecer na minha frente, ouço um speaker a pronunciar frases imperceptíveis e eis que surge um meta diante dos meus olhos. De repente apercebo-me do contexto e em fracções de segundos tomo a decisão de passar ao lado da meta e continuar a contornar o estádio. Passados uns 100m estou de novo na tal bifurcação que tinha separado os dois grupos. Agora, sem multidão a tapar-me as vistas, vejo uma pequena seta com a inscrição “8 km” apontando para o caminho que há uns 2kms eu não tinha tomado. Opto agora por este percurso e corro sozinho ao longo de 8km, até que regresso de novo à meta, que agora resolvo atravessar para poder ter acesso à água, que de imediato cuspo quando meto a garrafa à boca pois a malta, por estas bandas, só bebe água com gás.
Regresso rapidamente ao hotel, feliz por ter desenferrujado as pernas e divertidíssimo com os acontecimentos: em menos de uma hora tinha feito duas corridas consecutivas, tendo ficado em primeiro numa e em último noutra.

6 comentários:

Erwin Rudolf J. A. Schrodinger disse...

ultrapassar as atletas não calhou bem desta vez,nada como um dia depois de outro... :)
Saudações.

Jorge Branco disse...

Entrar numa prova sem querer! Essa nunca me aconteceu!
Só sei daquele atleta, em Lisboa, que começou numa prova, enganou-se e acabou noutra pois havia duas provas em simultâneo e com percursos a cruzarem-se!

João Paulo Meixedo disse...

Erwin, Erwin há quanto tempo ...

João Paulo Meixedo disse...

Ah ah ah, quem foi esse, Jorge?

Novais disse...

Isto só mesmo a ti é que podia acontecer. Aquele abraço, João continuação de boas corridas.

João Paulo Meixedo disse...

A corrida pode trazer muitas surpresa, amigo Novais :)
Continua a dar-lhe nas francesinhas ...