quarta-feira, 16 de junho de 2010

Um diálogo não é um monólogo

Amizades antigas, vidas diferentes, geografias distintas, o contacto que se perde ou se espaça e que se retoma por um acaso, uma saudade que bate mais forte ou a necessidade de um desabafo e lá se faz o telefonema para um almoço ou uns copos com um daqueles amigos.

Este filme, já visto e revisitado por todos nós, assumiu comigo recentemente contornos bem mais interessantes quando o tal amigo é também um corredor amador. Em vez do almoço e do copo (que também podem fazer parte do menu, em função do tempo disponível), marca-se um treino e rola-se a um ritmo, necessariamente baixo, que permita manter um diálogo não ofegante e fazer o tal F5.

Para além de todas as vantagens que saltam à vista acresce o facto de que o “desabafador” mais tarde ou mais cedo vai precisar de recuperar o fôlego, o que não lhe permite manipular a conversa e enfadar demasiado a prosa.

7 comentários:

joaquim adelino disse...

Na falta de um diálogo consistente, penso eu, sempre se pode entender aquela conversa (dos leões, claro)no meio ambiente em que ela tem lugar e pela desoladora paisagem que os rodeia, devem estar a pensar ou a delirar com as promessas que para o Ano aqui/lo vai estar tudo Verde, só pode, pois sem os pastos verdejantes não é possível a sua própria sobrevivência e também a dos outros, que sem a existência ou a fraqueza de tal "bicharada" deixam de ter motivos de interesse que alimentem a paixão ou a desilusão.
Haja paciência, esperança e sobretudo confiança para um dia risonho de amanhã, para ambos e também para os outros.
Abraço

Pedro Ferreira disse...

Eu costumo fazer isto é com malta de clubes distintos do meu e com menos treino. De início, puxo-lhes pela língua e quando já estão ofegantes, falo do último jogo do meu clube ou do deles. É um fartote, vê-los a quererem defender o Postiga! (este nome foi usado apenas como exemplo e provocaçãozita ao autor deste blog)

João Paulo Meixedo disse...

Grande prosa, amigo Joaquim, embora o post não fosse acerca de leões :)
De qualquer das formas, e já que fala nisso, contamos já sabe com quem.
Um grande abraço

João Paulo Meixedo disse...

Parece que o meu post tem um erro de casting, caro Pedro :), mas já que também tu puxas para a bola deixa-me esclarecer-te porque estás enganado acerca do clube dos que defendem o Postiga.
Um abraço.

Erwin Erwin Rudolf J. A. disse...

Bem... A serio? Não me digas!?! pode sempre ser repetido, indefinidamente,com pouco esforço, tal como: que interessante, prossiga com mais pormenores.

Erwin Rudolf J. A. Schrodinger disse...

E meu nome aparecia repetido, e minha imagem nada... até já parecia uma gaja sempre a reclamar, quando resolvi usar a pouca massa do "encephalon" que me resta para configurar correctamente a conta.

João Paulo Meixedo disse...

paradoxal mesmo é o gato aparecer no segundo comentário e não no primeiro. O que diria Schrodinger acerca do seu paradoxo revisitado, agora não com o gato morto vivo mas sim com o gato vivo morto ... mas ao contrário!?!